segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Revirando meu báu- 2




                                 Assassinaram-me!
           
Sou um gambá,quase morto,mas ainda lúcido. Nesses meus últimos minutos quero contar aqui minha derradeira aventura:há quase um ano me mudei para um lugar ideal: o ralo de um banheiro desativado,num apartamento de uma senhora simpática,com problemas de olfato.Quando chove,me ajeito melhor  e durmo.Mas nas tardes quentes,me agarro com unhas e dentes nas paredes da minha morada e ouço as reclamações: vou me mudar.Vou comprar máscaras.E é um entra e sai de bombeiros: abrem o ralo,fecham o ralo e se vão.Não existe problema aqui no apartamento,o mau cheiro vem de outro lugar..Apesar do meu perfume desagradável,eles não conseguem me descobrir.Mais um "entendido": se ajoelha no chão,destampa o ralo.O problema é aqui.Por favor,me traga 2 litros de água.Não pode ficar seco assim.Pronto,lá estou indo eu,semi-afogado, pro ralo abaixo.Adeus,doce senhora.Adeus,bombeiro esperto e cruel.


                                             Maria Neusa em outubro de 2010
 

sábado, 15 de dezembro de 2012

Revirando o baú


Cidade mineira,entre montanhas.Pequena,30 mil habitantes.Casas de pedras à vista,ruas estreitas,praças verdejantes,ipê-roxo...Duas horas e meia de Lavras,chegamos cedo, eram 17 horas.Duas placas de pousada:Pousada da esperança..Fomos desesperançados de cara..rs..estava esgotada,muito estrangeiro pro festival.Pousada da Pedras nos acolheu alegrinha,quartos simples mas com banheiro..êta conforto.Lanchamos pão com queijo e refrigerante em volta da cama e da conversa.Tiramos um cochilo.Antes das vinte horas Luis Gustavo e Carlos Henrique foram "passar o som".Às 21 horas colocamos o carro no estacionamento,descobrimos os filhotes na porta da farmácia.A hospitalidade sul-mineira: um banco pra nosso conforto!As músicas se sucederam,umas bonitas,outras nem tanto.Pessoas chegando,vestido de baile e o vento assobiando.Rapazes pra lá,mocinhas pra cá,numa alegria só.Às 23 horas a última música:" A terra das águas claras",letra do LG, música e arranjo de CH.Um nó na garganta ao vê-los tão sérios e lindinhos no palco.A voz do LG se elevando límpida, o violão do CH num dedilhar sonoro...muito emocionante.Quase meia-noite e meia fomos dormir..nem vi a escuridão me rodear..acordei antes das 8 horas da manhã.Café sem açúcar coado pra mim..rs...acordamos os meninos,conversa ao redor do café da manhã.Às 10.30h fomos saber o resultado: naum foram classificados,outro nó na garganta,agora de tristeza.Palavras amorosas: valeu a experiência,valeu termos viajado juntos...Estrada rumo a Lavras..conversa e risadas..filhos crescem e, se temos sorte ,ganhamos amigos.

Maria neusa em setembro de 2004

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Mini-conto: Alívio




         Ela não desiste.Ele cuidou dela quando se sentiu mais frágil
e desamparada.Ela o chama de o meu doutor querido.E de tanto querer
saber notícias dele,elas vieram: "minha querida amiga,estou viajando pelo mundo  afora.Um dia eu volto.Te cuida."Ela suspira, feliz!

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Conversa entre mulheres


Minhas queridas:

                  Quando fiz 50 anos comecei,a pedido da minha médica,a fazer meus exames anuais de rotina:
  mamografia,preventivo,endo-vaginal e densiometria óssea.
                   Sempre me orgulhei de dizer: meu  sistema reprodutor (e leiteiro) é perfeito, igual ao da minha mãe:herança bendita.
                   Há 3 dias fui pega de surpresa: minha mamografia dera uma alteração não detectada na do ano passado.
                   Mostrei o exame ,que trazia a sugestão: faça uma ultrassonografia.Minha médica concordou e pediu
urgência.Aqui no Brasil( espero não estar sendo injusta) isso significa esquecer o plano de saúde( que só poderia me
atender em final de fevereiro) e pagar um exame.Pra isso,escolhi o melhor médico( na minha opinião) da cidade:
Dr. Marcelo ,da Ecoar.Eu o conheci há 4 anos quando fui fazer um ultrassom do abdomen;nele se encontram ,
na minha vesícula,pedrinhas adormecidas.O exame minucioso e o relatório perfeito me seduziram.E virei fã de
carteirinha desse jovem médico( que deve ter a idade do meu filho mais velho).Em 24 horas,( durante as quais sofri
angústia  ,medo, preocupação,)fui atendida por ele.
                  Acabo de voltar pra casa com a melhor das notícias: ele não detectou nada( depois de quase uma hora de exame)
e explicou: são três procedimentos  padrões: a apalpação,a mamografia e a ultrassonografia.Ele me recomenda fazer
outra mamografia daqui a 6 meses.Mas devo falar com minha ginecologista e ver o que ela acha.Abracei-o( em minha
mente) e agradeci aliviada.Minha pressão retornou aos 12 por 8,minha dor no peito se despediu..Cantando,entrei
num bom restaurante e me presenteei com um gostoso almoço.Em casa tirei da geladeira o doce de laranja diet,que
guardo pra ocasiões especiais.
                  Depois do alívio e da comemoração,me veio o sentimento de gratidão:estou bem.O susto foi só isso,um susto.
                   Amanhã volto a fazer planos para  o Natal junto a meu filho,norinha e netinhos.
                  E  vocês,minhas queridas: cuidem-se,sem deixar nada para amanhã.Carpe diem.

Beijos amigos e compartilhantes da maria neusa


terça-feira, 20 de novembro de 2012

Mini-conto: A primeira fisgada e outras mais...



Ela sabe que vai doer.Sente a primeira fisgada quando sobe para o apartamento,
depois de abraçar com força os netinhos,a norinha e o filho: boa viagem,Deus os proteja,me
liguem quando chegarem.As lágrimas escorrem por dentro,sempre foi assim.Com a terapeuta
aprendeu: onde dói? Por que dói? Ela vai encontrando as respostas enquanto lava as louças.
A manhã vai ser longa e silenciosa.Ela vai arrumar a casa enquanto mergulha fundo na falta
que já sente da sua família.Viver longe deles foi sua escolha e ela,apesar da dor,acredita que
é a melhor maneira de respeitá-los.Pensar que dia 20 de dezembro estará com eles ameniza
tudo e Ela consegue até sorrir,antecipando a alegria do reencontro.


Maria Neusa em novembro de 2012

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Mini-conto: Leveza




          
Ela contara os dias ansiosa: os tão queridos hóspedes ficariam no seu apartamento dois dias incompletos.Pouco mas melhor que dia nenhum.Interfone tocando,abraços e beijos,saudade quase saciada.Os tropeços foram surgindo : o chuveiro do banheiro social explodiu por falta de uso e excesso de água acumulada.O gás do prédio acabou em pleno feriado.Ela aprendeu a esquentar água no microoondas.Passado o susto,muitas risadas.Família: com leveza e bom humor nada pode estragar o prazer de estarem juntos.

Maria Neusa em novembro de 2012

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Mini-conto: Estilhaços


Ela se olhou no espelho.O espanto e a dor que a olharam
de volta fizeram a realidade se estilhaçar.
              Farei um novo mosaico.Se não,para que viver???


Maria Neusa em novembro de 2012
                           

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Mini-conto: Replantio



       Ela não arrancou as ervas daninhas e nem adubou a terra.Só amontoou as pedras e jogou as sementes ressequidas.E tolamente esperou que frutos doces nascessem de seu gestos inférteis.Quem sabe do seu espanto possam brotar lágrimas,que possam fazer germinar a esperança de um outro plantio e uma doce colheita?

Maria Neusa  em outubro de 2012.

domingo, 28 de outubro de 2012

Mini-conto: AH!



                   " Felicidade se acha em horinhas de descuido".Ela leu e releu esse
pensamento de Guimarães Rosa.AH!Descobri ! Preciso ser mais descuidada!

Maria Neusa em outubro de 2012 

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Mini-conto: Só por hoje

Ela se transforma num foco único de dor.
Mãos,braços,pernas,peito.
Não é um infarto pois Ela a reconhece, só
a incomoda não saber lher dar o nome certo: tristeza,
estresse.Ela tenta se desligar e curtir os momentos.
Só por hoje continua ser o seu aprendizado.

Mini -conto: Reconhecimento

Ela se enrijece , se cala,se assusta e chora.
A outra é o espelho  em que Ela não quer se olhar.
Mas é inevitável: a dor do reconhecimento a dilacera.
Respira fundo e se lembra: isso foi há muito tempo.
E a esperança na mudança volta para o seu lugar reservado,dentro dela.
 
 
 

Mini conto: Faíscas

Ela nem acreditou na leveza com que se reencontraram.O filho é muito parecido com ela e isso fazia com que os desentendimentos ocorridos desde sua adolescência e fase adulta parecessem maiores.Agora que ele mora longe, os conflitos são esquecidos.Ela o abraça com alegria.Serão quatro dias juntos.De repente faíscas: palavras duras dele,quase silêncio, dela.Se retraindo Ela se poupa .Ele explode toda sua prepotência.E Ela se lembra: aos 30 anos eu era assim.E o abraça na despedida e o abençõa.

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Era uma vez....

Ele era assim: 6 anos de idade,loirinho e alegre. Ela era sua priminha e comemorava seu segundo aniversário. Ele foi junto com seus pais e irmão mais velho numa aventura: andar de ônibus para cantar "parabéns pra você." Festa animada,brincadeiras e doces. Hora de voltar.No ônibus,a mãe percebeu que ele soluçava. - Filhinho, o que aconteceu? Você se machucou? Ele chorando,inconsolado, repetia: ela vai ficar sozinha....ela,tão pequenininha, vai ficar sozinha. Vinte e dois anos se passaram. Ontem ele se casou num país distante. Ela,que estava num país vizinho, foi lá abraçá-lo nesse momento tão especial. Eu acredito em energias conectadas,numa dança alegre,presente do Universo. Maria Neusa em setembro de 2012

domingo, 16 de setembro de 2012

Ontem em Lyon

Dia 15 de setembro de 2012.Ontem,em Lyon,meu filho caçula e minha norinha oficializaram uma união iniciada há 7 anos quando se encontraram em um show em UDIA.Escolhas são feitas e a minha de ficar daqui do Brasil torcendo por eles teve ,entre as inúmeras consequências,uma que me tocou profundamente: um filme foi passando dentro de mim: o nascimento de CH,sua infância ,nossos momentos de curtição,as brigas durante a adolescência (e depois também).A saída de casa.A escolha do curso universitário.O encontro com Iara e a decisão de caminharem juntos em outro país. Um orgulho enorme me preencheu,expulsando a dor da saudade.Aos 28 anos meu filho é um ser humano autônomo,responsável em transformar seus desejos em realidade.Acolhi a tristeza por estar longe nesse momento da sua vida. Acolhi a alegria da certeza do caminho criativo,amoroso e lúdico que ele escolheu trilhar junto com minha norinha.Vida longa para vocês,amados sempre.

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Mini-conto: Metades ( 2 )

Permanência - Sou o riso,a comemoração,a alegria. - Sou a lágrima,o peso nos ombros,a tristeza. O amarelo e o cinza se entreolharam.Confiantes deram-se as mãos.E um ser, inteiro nos seus contrastes, permaneceu. Maria Neusa em setembro de 2012

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Mini-conto: Metades ( 1 ) -Precipício

Metade de mim é medo.A outra,coragem. Agarrada à beira do precipício,Ela sentiu: estavam intactas!Abriu,então as asas e voou.

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

" O interessante é que cada um acha o que quer."

Questões desequilibradoras A perseguiam,naquela noite. Difícil saber o que se quer. Difícil,entre tantos caminhos,escolher o seu. Difícil escolher voar sabendo que o pouso é inevitável. Mas saber que " o interessante é que cada um acha o que quer" A impulsiona ao encontro do equilíbrio,que A faz se sentir lúcida, no seu chão. Fácil,agora,fechar o livro e dormir. Maria Neusa em agosto de 2012

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Presente de aniversário

Lavras, 14 de agosto de 2014. Querida amiga. Hoje é dia de seu aniversário – um dia que nunca esqueço, principalmente porque sei da alegria que você sente em comemorá-lo. Nem consigo me lembrar de quantas vezes fui até sua casa para abraçá-la nesse dia. Lamento que agora você esteja vivendo longe de nós, suas amigas, que não a esquecem e sabem a importância que teve em nossas vidas, conhecer você. Uma tarde dessas estava eu fazendo um eletrocardiograma e da varanda do Consultório Médico eu via as casas de sua rua. Não dava para ver sua casa, só o telhado e fiquei pensando em quantas vezes nos reunimos ali. Desde quando? Acho que desde sempre porque já não consigo lembrar-me de nada importante em minha vida que você não tenha participado.(Descontando os exageros, não podemos esquecer que participamos de terapia de grupo juntas durante anos.) Sei que aprendemos muitas coisas juntas, sei que aprendemos uma com a outra, mas o que me importa realmente é que sei o quanto aprendi com você. Podem até parecerem coisas pequenas, mas só eu sei o quanto foram importantes. Aprendi a abraçar, eu que sempre reagia ao contato humano com uma barreira intransponível, como se colocasse uma tábua me separando de qualquer pessoa. Aprendi a importância de esperar das pessoas só aquilo que elas podiam me dar e assim de contar os amigos apenas com os dedos de uma mão, passei a considerar o mundo todo como amigo (ou quase). Aprendi que não preciso ter a mesma opinião sempre, porque sou um ser pensante e como tal posso mudar de opinião todas as vezes que achar motivos para isso. O valor do autoconhecimento. Coisas que não aprendi? Claro que elas existem...não acredito em tudo que me contam, não aprendi a usar a crase, não aprendi a cortar cabeças... Vivemos juntas muitas coisas, mas há uma coisa que se tornou única para mim: fui testemunha de uma quantidade infinita de casamentos, mas de divórcio, o seu foi o único em minha vida. E você nem sabia onde seria a cerimônia! E depois, de encontro ao ex desencontrado, vocês tiraram de letra (ele eu tenho minhas dúvidas) enquanto nós, HM e eu, ficamos a beira de um ataque de lágrimas. Era para ser um bilhetinho e estou notando que está virando uma carta. Meio destrambelhada, assim como eu. Mas o que podia eu mais fazer para você saber o quanto sua amizade é importante em minha vida? Sei que você sabe, mas não custa lembrar porque não quero que esqueça. Nunca. Relembrando tempos que não vivemos, peço desculpas por essas mal traçadas linhas e os erros do novo português que ainda não aprendi. Seria o cúmulo se eu lhe pedisse para revisar esta carta, como fez com os livros que escrevi. De qualquer forma um beijo saudoso e um abraço confortador. Da Merô -Recebi essa carta no dia do meu aniversário!Compartilho com vocês esse presente! -Maria Neusa em agosto de 2012 , ,

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Mini-conto:

" É isso aí" Ela procurava um programa na TV quando esbarrou em Ana Carolina cantando o tema do filme Closet.Uma boa oportunidade para chorar,Ela pensou. Lembrou-se então de uma novela antiga: a mocinha,recém-chegada da Europa, onde vivera anos,chama o mocinho para uma conversa: proponho continuar nossa história a partir do ponto em que paramos.....um amor não vivido nos persegue para sempre".É isso aí"....eu nunca vou parar de te amar. Maria Neusa em agosto de 2012

terça-feira, 24 de julho de 2012

Para meus filhos,aniversariantes de julho!

CARREGO SEU CORAÇÃO COMIGO" Aqui está a raiz da raiz O broto do broto E o céu do céu De uma árvore chamada vida Que cresce mais que a alma pode esperar Ou a mente pode esconder E esse é o prodígio Que mantém as estrelas à distância Eu carrego seu coração comigo Eu o carrego no meu coração."

sábado, 21 de julho de 2012

Florbela Espanca esquenta esse frio sábado:

"Quem fez ao sapo o leito carmesim De rosas desfolhadas à noitinha? E quem vestiu de monja a andorinha, E perfumou as sombras do jardim? Quem cinzelou estrelas no jasmim? Quem deu esses cabelos de rainha Ao girassol? Quem fez o mar? E a minha Alma a sangrar? Quem me criou a mim? Quem fez os homens e deu vida aos lobos? Santa Teresa em místicos arroubos? Os monstros? E os profetas? E o luar? Quem nos deu asas para andar de rastros? Quem nos deu olhos para ver os astros - Sem nos dar braços para os alcançar?!..." Florbela Espanca Uma maneira deliciosa de começar esse frio sábado! Bom findi a todos ! Maria Neusa em julho de 2012

domingo, 15 de julho de 2012

Política e você " Corrupção,escândalos,falta de representatividade.Não é à toa que as pessoas se sentem afastadas da política.( ...) ( ...) Mas a verdade é que não é só em Brasília que mora a política. Nem só nos partidos,eleições e programas eleitorais.Com eleições municipais se aproximando em outubro,é bom lembrar que esse poder é e deveria ser de todos nós. Reciclar o lixo,parar na faixa de pedestres,dar bom dia ao vizinho: essas são todas atitudes políticas.Elas podem não envolver leis e disputas partidárias, mas toda vez que tomamos atitudes envolvendo a vida de outras pessoas próximas a nós,ou em nossa comunidade,estamos tomando uma posição política." - in Revista Vida Simples - julho de 2012. Aristóteles e Mário Sérgio Cortella estão presentes nesse artigo escrito por Diego Antônio Rodriguez.Eu recomendo!Leiam ! Maria Neusa em julho de 2012

quinta-feira, 12 de julho de 2012

No Correio

No Correio Nesta semana Ela fora duas vezes ao Correio. Na primeira,enviara um cartão-colagem para o filho mais novo, aniversariante de julho.Acredita que ao atravessar o atlântico suas palavras tocarão nele,como ela gostaria de poder tocar. Na segunda,foi a vez do cartão de aniversário do filho mais velho( também de julho) ,mais um cartão para a norinha,outro para o neto e finalmente,o da netinha.Todos envoltos no seu abraço amoroso e cheio de saudades. O atendente, novo naquele serviço( pelo menos para Ela) saudou-a sorridente: a senhora voltou!Mais uma carta pra França!? E entre selos, a conversa rendeu: eu gosto de escrever cartas...são mais pessoais,o tato então...Ela pagou, agradeceu e saiu pelas ruas da cidade,lembrando do filósofo francês André Comte-Sponville: "Por que se escreve uma carta? Porque não se pode nem falar nem calar.A correspondência nasce dessa dupla impossibilidade,que ela supera e da qual se nutre.Entre fala e silêncio, Entre comunicação e solidão.(...)" Ela acrescentaria: eu escrevo,porque quero estar perto. Maria Neusa em julho de 2012

sábado, 30 de junho de 2012

Carta a mim mesma: Lavras,junho de 2004 Minha querida Tudo que você vive é seu para sempre. Dos insucessos,dos desacertos,dos desencontros,guarde sempre a vontade de não repeti-los. Evite a auto-piedade.Evite de se fazer de vítima.Aceite os maus momentos como o contraponto inevitável. Nos pequenos prazeres cotidianos,a força para continuar vivendo: - a janela aberta e o sol lá fora - o ventos nas flores do ipê,que cobrem a rua com seu tapete roxo -o sorriso do aluno: bom dia,fessora - o cd novo no som do carro -a água quentinha da piscina da hidro - uma comida diferente,em restaurantes diferentes - amigos na net - filhos ao telefone -filhos,visitas inesperadas - cartas e mais cartas,que adoro escrever -encontro com as amigas: oficinas,filmes,livros,tudo compartilhado - viagens sonhadas: Florença e Praga.E a crença que serão realizadas. Nunca se feche para o novo. Viva e deixe viver! E não seja muito severa com você mesma. Beijos afetuosos da Maria Neusa

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Listas

Listas Ela lia uma reportagem na sua revista favorita quando deparou com:"nossa vida se resume numa série de escolhas e suas consequências."Hum!Vou fazer uma lista( Ela adora fazer listas!); 62 anos de escolhas e suas consequências.Mal tinha começado,sentiu um frio na espinha.Ela sempre parava para ouvir o que ele tinha para dizer:"Lista de escolhas do passado?Pra quê?"Ela rasgou a folha recém inaugurada,deixou uma branquinha em cima da mesa e saiu pra Vida: que venham novas escolhas.E suas consequências. Maria Neusa em junho de 2012

sexta-feira, 1 de junho de 2012

Ganhos

Compartilho com vocês: Flho: não fique aborrecido por ter perdido 10 minutos lendo e refletindo sobre esse texto que lhe enviei: o que vc escreveu me fez refletir ,me fez tentar afastar o preconceito que tenho dela,fez meu coração ficar menos duro,me fez concordar com vc e me fez admirar o ser humano íntegro e sensível que vc é. Olha quanto ganho pra mim heim? Beijos admiradores e gratos da maria neusa,mãe Xuxa é uma personagem (dela mesma). O sexo está presente em sua carreira desde sempre (seu primeiro filme, Playboy, seus programas de TV, seus filmes "infantis"). Vive da mídia de entretenimento, que não tem a espontaneidade como uma de suas características. Quase tudo costuma ser planejado, calculado. O abuso sexual de crianças, meninos, meninas, mulheres, homens, idosos... é abominável. "Até" da Xuxa. Fico triste por ela. Mas me incomoda a possibilidade da revelação do abuso ser uma defesa do tipo "eu não tenho culpa de ser assim, eu sou uma vítima" etc e tal. Não acho que a Xuxa se veja como pinta a psicóloga do e-mail, não acho que ela finja (ou tenha fingido) ser algo que ela não é. Concordo que seu programa erotizou precocemente sua audiência (que era grande, mas não era de absolutamente TODAS as crianças), que o consumismo e vários outros -ismos dão a tônica de sua carreira, mas ela não foi a única responsável por esse processo. Se sua revelação foi uma jogada de marketing ou não, não estou nem aí (não tenho Globo em casa, não vi a entrevista do Fantástico e já estou aborrecido comigo por perder 10 minutos do meu tempo falando disso). Mas questionar ou diminuir a dor de quem sofreu esse tipo de violência não me parece adequado. Só não vou chorar por ela. Luís Gustavo Guadalupe Silveira -Maria Neusa em junho de 2012

domingo, 27 de maio de 2012

Interrogação

Interrogação " Metade de mim é ninho.A outra metade,passarinho." Minhas asas estão sangrando. Estou presa em pensamentos horripilantes. Por quê ? Maria Neusa em maio de 2012

terça-feira, 22 de maio de 2012

Incompletude

Dentro da água da piscina.O teto aberto para o sol já quente de agosto entrar. Toque de fogo.Carícia de gelo.Contraste que me atrai e fascina. Mergulho no frio que me invade por dentro.Sinto a alma se arrepiar e tenho saudades.Há milhares de anos um outro ser estava ligado ao meu e ria meu riso e chorava meu pranto.Queria dividir com ele a alegria do sol mas só consegui sentir sua ausência.E ela era fria e me fez chorar...Sou novamente uma menininha no vestido de veludo preto,cabelos longos e castanhos,olhos curiosos e passos de balé dentro da tarde. O sol conseguiu atravessar minha pele e tocou meu coração.A menina sorriu e eu,secando minhas lágrimas,tomei impulso e voltei à tona. Dentro da água da piscina. A vida é aqui fora.Na alma a dor da saudade e a certeza do reencontro.Um dia,a completude. -Maria Neusa,revirando arquivos em maio de 2012

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Um presente simbólico!

Mini conto: Presente simbólico! Presente simbólico! Madrugada fria de maio. Ela resolveu ler emails já que não conseguia dormir. Seu nível de glicose escapara de seu controle. Sua pressão descontrolou-se e seu corpo todo doía. Um preço justo para dois meses comendo como uma pessoa normal,sem diabetes. Amanhã penso sobre isso ,resolveu.Um email chamou sua atenção: um presente simbólico de dias das mães.Meio tonta ,Ela custou a entender: o filho mais velho gravara três músicas,tocando violão e cantando e as enviara por um anexo:"para matar um pouco as saudades da antiga cantoria."Emocionada,ouviu uma por uma.E chorou!Presente símbolo: como construir cotidianamente uma relação mãe e filho de uma maneira sincera,livre e incondicional,aceitando e respeitando as diferenças de cada um.Ela se sentiu abraçada.Agora consigo dormir. E dormiu! Maria Neusa em maio de 2012

quinta-feira, 17 de maio de 2012

Meu bisavô reencontrado

Meu bisavô reencontrado Nome: Joaquim Augusto Pinto Paiva Guadalupe, Dentista Data Nascimento: séc. XIX Sexo: Masculino Informações: Natural de Travanca de Oliveira do Hospital, distrito de Coimbra, Província do Douro, Portugal. Teria migrado para o Brasil por volta de 1850. Era farmacêutico, mas, ao chegar ao Brasil, submeteu-se, no Rio de Janeiro, aos exames necessários para exercer a profissão de dentista. Foi o primeiro a adotar o sobrenome Guadalupe. Casou-se, por volta de 1880, em Lage, município de Tiradentes (MG), com Belarmina Coelho, de quem teve os filhos abaixo. O casal residiu em São João del Rei, no sobrado conhecido como Solar dos Guadalupe, à rua Padre José Maria Xavier 118 (imóvel adquirido posteriormente pela Ordem da Imaculada Conceição, onde hoje se encontra o Mosteiro de São José). Em 4 de fevereiro de 1905, foi nomeado, pelo Ministro da Justiça e Negócios Interiores, terceiro suplente do substituto do Juiz Federal da comarca de São João del Rei. Faleceu em 4 de maio de 1907, em São João del Rei, onde foi feito seu inventário, sendo inventariante a sua esposa. Os bens do casal são assim descritos: a) "um prédio sobrado, à rua Padre José Maria no. 10"; b) "uma mobília de sala de visitas, inclusive um piano"; c) "uma mobília de sala de entrada, constando de 6 cadeiras, um sofá e 3 mesas"; d) "uma mobília de sala de jantar, constando de uma mesa, 7 cadeiras, um guarda-louças, um guarda-comida e uma étagére"; e) "um gabinete dentário"; f) o mobiliário de três dormitórios, incluindo camas, cômodas, lavatórios e bidets; g) apólices da dívida pública. (cf. Arquivo Histórico de de São João del Rei, caixa 649; informações colhidas por Ciro dos Santos com José Antônio e Luiz Bernardes Guadalupe; Diário Official, anno LXIV, n. 30, 4/2/1905, p. 2) Filiação: Pai: José Joaquim Pinto Mãe: Maria Julia Pinto Filhos: Filhos: Maria Augusta Guadalupe Alice Guadalupe Guedes Eugênia Guadalupe Artigas Armando Augusto Guadalupe Leontina Augusta Guadalupe Luiz Augusto Guadalupe Ercília Guadalupe de Medeiros Elzy Guadalupe Ferreira Edith Augusta Guadalupe José Augusto Guadalupe Avós: Avós Paternos: Avós Paternos não cadastrados Avós Maternos:não cadastrados Há 8 anos meu pai me contou sobre a origem do nosso sobrenome Guadalupe.No orkut existe uma comunidade Guadalupe e postei a história que ele me contara lá.Uma prima distante,moradora de uma cidade do interior de São Paulo, me escreveu.E até hoje me envia documentos encontrados sobre nossa árvore genealógica.Recebi esse há dois dias.Sempre me emociono.Sinto que posso tocá-lo,bisavô.Sinto você vivendo dentro de mim.E lhe sou grata. Maria Neusa em maio de 2012

terça-feira, 15 de maio de 2012

ORAÇÃO

"Que seu coração voe contente nas asas da espiritualidade consciente, para que você perceba a ternura invisível tocando o centro do seu ser externo. Que seus pensamentos,seus amores,seu viver a sua passagem pela vida sejam sempre abençoados por aquele amor que ama sem nome. Que esse amor seja o seu rumo secreto,viajando eternamente dentro do seu ser. Que esse amor transforme os seus dramas em luz,sua tristeza em celebração e seus passos cansados em alegres passos de dança renovadora. Que seu viver seja pleno de Paz,Luz e Amor."

sábado, 12 de maio de 2012

Ganhei esse presente!

NUNCA É TARDE Mirian Goldenberg Mulheres mais velhas aprendem que a verdadeira realização é poder investir nos próprios desejos No Brasil, o corpo é um capital. A crença de que o corpo jovem, magro e perfeito é uma riqueza produz uma cultura de enorme investimento na forma física e, também, de profunda insatisfação com a própria aparência. Quase 100% das brasileiras se sentem infelizes com o próprio corpo. Ter uma família também é importantíssimo. Casar e ter filhos é um desejo ainda muito presente em todas as gerações e classes sociais. Muitas brasileiras, no entanto, se sentem frustradas por não serem reconhecidas ou valorizadas por maridos e filhos. Uma professora de 41 anos disse: "Passei a vida inteira cuidando da casa, do marido e dos filhos. Meu marido me traiu com uma garota de 22 anos. Meus filhos nem respondem aos meus telefonemas. Deles, só recebo patadas. Minha única alegria são meus gatos e cachorros". Ao pesquisar mulheres mais velhas, descobri outra realidade. Muito mais importante do que a aparência e o marido é a liberdade que adquiriram com a maturidade. Uma médica de 63 anos disse: "Descobri que a verdadeira realização não está no corpo perfeito, na família perfeita, no trabalho perfeito, na vida perfeita, mas na possibilidade de exercer meus desejos, explorando caminhos novos e tendo a coragem de ser diferente. Descobri que não devo me comparar a outras mulheres, pois posso ser única e especial". Mais velhas, elas passam a exibir seus corpos sem medo do olhar dos outros, sem vergonha das imperfeições e sem procurar a aprovação masculina. Aprendem que a felicidade pode estar em coisas simples, como dar risadas com as amigas, ter uma alimentação saudável, caminhar na praia. Passam a investir nos próprios prazeres, como fazer pilates, estudar, viajar etc. Elas passam a cuidar de si mesmas com o mesmo carinho que dedicaram aos filhos, marido, familiares. Não se sacrificam mais e não se esforçam tanto para provar o próprio valor. O centro do cuidado deixa de ser para o outro e passa a ser para si. Uma professora aposentada de 75 anos disse: "Não tenho marido e sou feliz. Invisto meu tempo, energia e dinheiro em mim. Não me preocupo mais com a opinião dos outros. Não tenho mais medo de dizer o que penso e quero. Tudo ficou muito melhor com a idade. Fiquei mais segura, confiante e autêntica. Pena que descobri a liberdade de ser eu mesma tão tarde. Espero que minhas netas descubram o valor da liberdade muito mais cedo". -Uma amiga me enviou esse texto hoje.Um presente,pensei.Aos 62 anos,divorciada e com meus dois filhos longeeeee,me preparo para passar o"domingo das mães" sozinha: vou fazer um almoço gostoso e experimentar uma sobremesa diet.Separei um bom filme.Talvez caminhe na manhã fria de quase-inverno.Sou livre e sou grata por isso.

sexta-feira, 11 de maio de 2012

Amor é isso...

"Há três coisas para as quais eu nasci e para as quais eu dou minha vida. Nasci para amar os outros, nasci para escrever, e nasci para criar meus filhos. O ‘amar os outros’ é tão vasto que inclui até perdão para mim mesma, com o que sobra. As três coisas são tão importantes que minha vida é curta para tanto. Tenho que me apressar, o tempo urge. Não posso perder um minuto do tempo que faz minha vida. Amar os outros é a única salvação individual que conheço: ninguém estará perdido se der amor e às vezes receber amor em troca [...].” ~ Clarice Lispector -Li,copiei e compartilho.Para todas as mães,e pais e filhos e netos e tios e tias....

quarta-feira, 9 de maio de 2012

“Se apenas soubesses o significado do Seu Amor, a esperança e o desespero seriam impossíveis. Pois a esperança seria para sempre satisfeita e qualquer tipo de desespero impensável. A Sua graça é a Sua resposta a todo desespero, pois nela está a lembrança do Seu Amor.” (UCEM-LE-pI.168.2:1-3) Citações inspiradoras de Um Curso em Milagres. Inspiring quotations from A Course in Miracles.

sábado, 5 de maio de 2012

Prosa poética "Mesmo quando o outro vai embora, a gente não vai. A gente fica e faz um jardim, qualquer coisa para ocupar o tempo, um banco de almofadas coloridas, e pede aos passarinhos não sujarem ali porque aquele é o banco do nosso amor, do nosso grande amigo. Para que ele saiba que, em qualquer tempo, em qualquer lugar, daqui a não sei quantos anos, ele pode simplesmente voltar, sem mais explicações, para olhar o céu de mãos dadas." -Rita Apoena- Há anos conheci essa poeta através de um aluno e maravilhei-me. Sempre que me enviam textos ,para mim, inéditos,quero compartilhar. Como agora. Maria Neusa em maio de 2012

quinta-feira, 3 de maio de 2012

O medo da morte é muito útil....

Perguntaram a Osho: O medo da morte muitas vezes irrompe, intenso e forte, e o medo de ter de deixar toda essa beleza, essa amizade e amor. Como é possível relaxar com essa certeza da morte? Primeiro, só é possível relaxar quando a morte é uma certeza. Relaxar fica difícil quando as coisas são incertas. Se você souber que vai morrer hoje, todo o medo da morte vai desaparecer. Para que perder tempo? Você tem o dia de hoje para viver: viva tão intensamente quanto possível, viva da forma mais plena possível. A morte pode não chegar. A morte não pode chegar para as pessoas que vivem com muita intensidade e plenitude. E, mesmo que ela chegue, essas pessoas que viveram intensamente vão lhe dar as boas-vindas, pois ela é um grande alívio. Elas estão cansadas de viver, elas viveram com tal plenitude e intensidade que a morte chega como uma amiga. Assim como depois de um dia inteiro de trabalho duro, a noite vem como um grande relaxamento, como um sono belo, o mesmo acontece com a morte depois da vida. A morte não tem nada de feio nela; você nunca encontrará nada mais cristalino do que a morte. Se o medo da morte surgir, isso significa que ainda existem algumas brechas que ainda não foram preenchidas com o viver. Portanto, esses medos da morte são muito úteis e esclarecedores. Eles lhe mostram que a sua dança tem de ser um pouco mais rápida, que você tem de viver com mais intensidade. Dance tão rápido que o dançarino desapareça e só reste a dança. Assim nenhum medo da morte pode visitá-lo. "E o medo de ter de deixar toda essa beleza, essa amizade e amor." Se você vive totalmente no aqui e agora, que interessa o amanhã? O amanhã tomará conta de si mesmo. Jesus está certo quando pede a Deus, "Senhor, dai-nos hoje o pão nosso de cada dia". Ele não está pedindo para amanhã, só o de hoje já é suficiente. Você tem de aprender que cada momento tem uma completude. O medo de ter de deixar isso tudo só irrompe porque você não está vivendo plenamente no presente; do contrário não haveria tempo, não haveria mente e não haveria espaço. Um dia perguntaram a um mercador quantos anos ele tinha. Ele disse, "Trezentos e sessenta anos". Sem poder acreditar, o homem disse, "Repita, por favor. Acho que não escutei direito". O mercador gritou, "Trezentos e sessenta anos!" O homem disse, "Perdoe-me, mas não posso acreditar. Você não parece ter mais de sessenta!" O mercador respondeu, "Você não deixa de estar certo. No que diz respeito ao calendário, eu tenho sessenta anos. Mas, no que diz respeito à minha vida, eu tenho seis vezes mais do que qualquer pessoa. Em sessenta anos eu vivi trezentos e sessenta anos". Depende da intensidade. Existem duas maneiras de se viver. Uma é à maneira do búfalo — ele vive horizontalmente, numa única linha. A outra é à maneira do Buda. Ele vive verticalmente, em altitude e profundidade. Assim cada momento pode se tornar uma eternidade. Não perca tempo com o trivial; viva, cante, dance, ame de modo tão pleno e transbordante quanto você for capaz. Nenhum medo interferirá e você não ficará preocupado com o que acontecerá amanhã. O hoje basta por si mesmo. Vivido, ele é tão pleno! Ele não deixa espaço para que se pense em mais nada. Osho, em "O Livro do Viver e do Morrer: Celebre a Vida e Também a Morte"

sábado, 21 de abril de 2012

Cicatrizes

           

              Ela leu recentemente que lembranças são cicatrizes da alma.
             Tenho duas cicatrizes penduradas na parede de meu quarto,ela pensou.
             O primeiro quadro é uma aquarela de uma paisagem gelada:muita neve
              e nenhum sol,pintada por seu filho mais velho.Há mais ou menos sete anos,
              ele se dedicou a pintar paisagens para ganhar dinheiro e Ela foi sua maior
              fregueza. Essa cicatriz dói uma dor delicada e constante,lembrando-a do
              quanto ela se orgulha dele...
              O segundo quadro é uma aquarela também,pintada por uma amiga: gaivotas
               riscam o céu azul.Quando foi feita,as duas tinham os pés amarrados ao
               chão mas as almas...Ah! Essas voavam,livres...Essa está bem cicatrizada,
               não dói mais.Ela sabe que conseguiu se livrar das amarras.
 
 
Maria Neusa em abril de 2012

sexta-feira, 20 de abril de 2012

Li e copiei!Quero compartilhar...


Antes de ir dormir…
 
"Mamãe, não chore agora e, papai, não derrame lágrimas.
Eu quero sussurar algo antes de ir dormir.
Eu sei que, quando eu cheguei aqui, eu parecia perfeito em tudo.
E você estava tão orgulhoso, papai, quando você me segurou naquele dia.
E mamãe, quando você me beijou e me envolveu tão apertado,
Eu soube que esse era o meu lugar e que tudo estava certo.
Mas então eu parei de falar e comecei a me esquivar,
Eu vi seus rostos preocupados enquanto vocês se ajoelhavam ao meu lado para orar.
E, papai, eu sempre percebo como você limpa uma lágrima,
Quando você observa as outras crianças enquanto elas correm, e riem, e se alegram
Eu posso não conseguir te dizer o tanto que eu te amo,
Ou mesmo te mostrar como eu me sinto e o que eu realmente sei.
Mas, quando você me segura, mamãe, à noite, quando tudo está quieto
Eu sinto o amor que você tem por mim e eu sei que tudo está bem.
E, papai, quando você me leva ao parque para correr e brincar
Eu sei que você ainda me ama apesar das palavras que eu não posso dizer.
Eu quero dizer, a vocês, uma coisa antes de ir dormir.
Eu posso ser meio direto e vocês podem não entender,
Eu sei que eu não sou aquela criancinha que você e o papai planejaram
Mas eu amo vocês dois tanto e sei que vocês me amam também.
E se eu pudesse falar o que está no meu coração, vocês sentiriam o meu amor por vocês.”
~ Diana Alago-
 
A história é longa( quem quiser conhecê-la ,visite o blog: www.lagartavirapupa.com br).
Conheci-a através de minha irmã que é amiga da mãe da Andrea.
Vou sempre ao blog dela: essa é minha forma de dizer "estou aqui,com você".Acho que ela sabe disso.
Hoje esse poema,que ela traduziu do inglês ,me tocou fundo.Chorei.
E resolvi compartilhar com vocês.
 

terça-feira, 17 de abril de 2012

Adélia Prado!

( Imagem:valdenycruz.blogspot.com )

            BENDITO

Louvado seja Deus, meu senhor
Por que meu coração está cortado a lâmina
Mas sorrio no espelho ao que
À revelia de tudo se promete;
Por que sou desgraçado
como um homem tangido para a forca,
Mas me lembro de uma noite na roça
O luar nos legumes e um grilo
Minha sombra na parede.

Louvado sejas por que eu quero pecar
contra o afinal sítio aprazível dos mortos,
Violar as tumbas com o arranhão das unhas,
Mas vejo a tua cabeça pendida
e escuto o galo cantar
Três vezes em meu socorro.

Louvado sejas, porque a vida é horrível
Porque mais é o tempo que eu passo
Recolhendo os despojos
- velho ao fim de uma gerra como uma cabra -
Mas limpo os olhos e o muco de meu nariz
Por um canteiro de grama.

Louvado sejas por que eu quero morrer, mas tenho medo
E insisto em esperar o prometido

Uma vez quando eu era menino
Abri a porta de noite
A horta estava branca de luar
E acreditei, sem nenhum sofrimento:
LOUVADO SEJAS!!!!
-Adélia Prado-

-Assisti a entrevista de Adélia Prado :tocante!Chorei junto com a platéia ,quando ela leu esse poema.
Ela chorou também e a emoção que tocou a todos foi forte,poderosa,inesquecível.

quarta-feira, 11 de abril de 2012

Legado

( imagem:www.portugueses.seed.pr.gov.br )


Legado

              Ela abriu o envelope amarelo.
              Dentro um desenho enorme do neto de 3 anos e um recado:
              _ Vovó,eu adoro livros.
              Ela suspirou: missão cumprida.

Maria Neusa em abril de 2012

segunda-feira, 9 de abril de 2012

Escolhas!

( imagem: www.zazou.com.br)

"Precisamos ensinar à próxima geração de crianças, a partir do primeiro dia, que eles são responsáveis por suas vidas. A maior dádiva da espécie humana, e também sua maior desgraça, é que nós temos livre arbítrio. Podemos fazer nossas escolhas baseadas no amor ou no medo."

(Elizabeth Kubler-Ross)


-  Escolhi o amor.Mas sinto o medo me espreitando...
 

domingo, 8 de abril de 2012

Renascer sempre

SIGNORE,
fa’ di me uno strumento della tua pace.

Dove c’è odio, io porti amore.
Dove c’è discordia, io porti l’unione.
Dove c’è errore, io porti la verità.
Dove c’è dubbio, io porti la fede.
Dove c’è disperazione, io porti la speranza.
O Divino Maestro,
che io non cerchi tanto di essere consolato quanto di consolare.
Non di essere compreso quanto di comprendere.
Non di essere amato, quanto di amare.
Infatti: donando si riceve.
Dimenticandosi si trova comprensione.
Perdonando si è perdonati.
Morendo si risuscita alla vera Vita.
 
-San Francesco d’Assisi-
 
Essa oração de São Francisco me leva a acreditar  que podemos renascer sempre.
 

sexta-feira, 6 de abril de 2012

Dentro de mim!


              Dois lobos e uma só força

  Quando sou determinada
                      motivada
                      atrevida
                      buscadora
O lobo predador uiva,alegre.

Quando o desânimo
              o pessimismo
              a vitimização
              me dominam
O lobo ,que se alimenta dele mesmo,uiva
desesperado.

Tenho os dois dentro de mim.
Mas a cada dia o uivo alegre prevalece,
colocando o desespero do lado de fora,
à espreita.

Maria Neusa em abril de 2012.

terça-feira, 3 de abril de 2012

Acabada, eu? Nunca....

( Imagem:www.angelbar.blogpost.com)

 "Não sou completa. Completa lembra realizada. Realizada é acabada.
Acabada é o que não se renova a cada instante da vida e do mundo.
Eu vivo me completando, mas falta um bocado!"

Clarice Lispector


-Acabo de voltar para casa depois de 15 dias curtindo os netinhos,filho e norinha.
Me sinto assim, claricelispector: me completando.

sexta-feira, 30 de março de 2012

quarta-feira, 28 de março de 2012

Minha saudade!Já!




"Sim, do mundo nada se leva. Mas é formidável ter uma porção de coisas a que dizer adeus."

Millôr Fernandes.
-Descanse em paz,amigo!
 

quinta-feira, 22 de março de 2012

Indignação com reflexão e ação!


" É um martírio,como disse um professor. Ficamos irritados com as filas e levamos tantos desaforos porque algumas pessoas
não entendem que a falta de vagas é fruto de uma política que ainda vê, no investimento em educação,algo secundário.Mas
fico feliz,muito feliz,de ver a população brigando para colocar seus filhos numa escola perto de casa,em sua própria comuni-
dade. O tamanho das filas,em quase todas as cidades do país,e dessas insatisfações, é uma pequena parte do tamanho da
distância que existe entre o Estado e a Cidadania,no Brasil.As notícias de violência a que assistimos e lemos em jornais e revistas,
são frutos de modelos baseados em paradigmas,nos quais o pilar histórico está no lucro,na hierarquia,no preconceito,na do-
minação.É como se existisse um genoma superior,dentro da própria espécie,em luta permanente.Algumas vezes,quando me dou
conta do aquecimento global,das guerras sem fim no Oriente Médio,do crescimento econômico voraz da China e da Índia,
da violência étnica no Quênia,cultural do Tibete, da corrupção - em especial do Brasil-, da falta de lideranças íntegras,
do desmatamento sem controle da Amazônia,das poucas democracias sólidas existentes no planeta,enfim,penso que é
essencial nos questionarmos sempre,sem perdermos a fé.E nos indignarmos sempre que for preciso."

( in Saber mexer e acreditar em gente - de Everardo de Aguiar Lopes)
_ Recebi esse livro de um sobrinho que me conhece.Conhece minhas lutas passadas,presentes e futuras.
Recomendo sua leitura.Depois poderemos afirmar: desistir jamais!

sexta-feira, 16 de março de 2012

Teologia moral da manga

O velho caipira, com cara de amigo, que encontrei num Banco, estava esperando para ser atendido. Ele ia abrir uma conta. Começo de um novo ano... Novas perspectivas...E como não podia deixar de ser, também começou ali um daqueles papos de fila de banco. Contas, décimo terceiro que desapareceu, problemas do Brasil, tsunami... Será que vai chover?
Mas em determinado momento a conversa tomou um rumo: "- Qual é então o maior problema do Brasil para ser resolvido? "E aí o representante rural, nosso querido "Mazaropi da modernidade" falou com um tom sério demais para aquele dia:
" - O Maior Problema do Brasil é que sobra muita manga!"

Tentei entender a teoria...Fez-se um silêncio e ele continuou: " - O senhor já viu como sobra manga hoje debaixo das árvores? Já percebeu como se desperdiça manga? "Sim... Creio que todos já percebemos isto... Onde tem pé de manga, tem sobrado manga...E aí ele continuou:
" - Num país onde mendigo passa fome ao lado de um pé de manga... Isso é um absurdo! Num país que sobra manga tem pouca criança. Se tiver pouca criança as casas são vazias... Ou as crianças que tem já foram educadas para acreditar que só "ice cream" e jujuba são sobremesas gostosas. Boa é criança que come manga e deixa escorrer o caldo na roupa... É sinal que a mãe vai lavar, vai dar bronca, vai se preocupar com o filho. Se for filho tem pai...
Se tiver pai e manga de sobremesa é por que a família é pobre... Se for pobre, o pai tem que ser trabalhador... Se for trabalhador tem que ser honesto... Se for honesto, sabe conversar... Se souber conversar, os filhos vão compreender que refeição feliz tem manga que é comida de criança pobre e que brinca e sobe em árvore... Se subir em árvore, é por que tem passarinho que canta e espaço para a árvore crescer e para fazer sombra... Se tiver sombra tem um banco de madeira para o pai chegar do trabalho e descansar...
Quem descansa no banco, depois do trabalho, embaixo da árvore, na sombra, comendo manga é por que toca viola... E com certeza tá com o pé na grama... Quem pisa no chão e toca música tem casa feliz... Quem é feliz e canta com o violeiro, sabe rezar... Quem sabe rezar sabe amar... Quem ama, se dedica... Quem se dedica, ama, reza, canta e come manga, tem coração simples... Quem tem coração assim, louva a Deus.
Quem louva a Deus, não tem medo... Nada faltará porque tem fé... Se tiver fé em Deus, vê na manga a providência divina... Come a manga, faz doce, faz suco e não deixa a manga sobrar... Se não sobra manga, tá todo mundo ocupado, de barriga cheia e feliz. Quem tá feliz.... não reclama da vida em fila do banco... "
Daí fez-se um silêncio...
-Rubem Alves_
 
Sem comentários!

segunda-feira, 12 de março de 2012

Vou colocar a boca no trombone!

( imagem:escoladegestores.mec.gov.br)

O que foi estudar na Escola Cooperativa
Gralha Azul


Foi ouvir algumas gargalhadas de escárnio de não-alunos da
Gralha,sentir o preconceito dos tradicionalistas e por vezes duvidar da
minha escola.Foi depositar preciosa confiança em meus pais,em sua vontade e

em seus conhecimentos.Estudar na Gralha foi possuir crença positiva em
mim,nos alunos,professores,funcinários e pais.
 Foi poder enxergar meu amadurecimento,fazer críticas a mim e

ao mundo.Foi descobrir coisas interessantes em locais desacreditados e
conviver com meus próprios preconceitos,vencendo uns e mantendo outros (que ainda irei derrubar).

 Foi pensar sobre a vida, os números ( por vezes a contra
gosto ),os fenômenos químicos e físicos,sobre o passado, a política e a
economia de diversos países,sobre os símbolos de nossa sociedade,de nossa
arte e língua.Foi conhecer nossos limites corporais e a realidade de
outras
escolas,através do esporte.
 Foi ver o país em encontros de adolescentes,debatendo e
estudando nossa sexualidade.
 Foi descobrir que sou capaz.
Foi (às vezes ) , discussão e desentendimento com colegas e

professores e amizade e respeito para com os mesmos.
 Foi, apesar dos obstáculos que muitas vezes me
venceram,gostar
de estudar e de aprender.
 Foi não ser medido por notas e por números.
 Estudar na Gralha Azul foi não alienar-me de mim mesmo.

Luís Gustavo Guadalupe
Silveira - 1999 -

- Estou tentando fazer com que essa escola em que meus filhos estudaram se torne visível.

Procurei,procurei e achei esse texto,escrito por meu filho mais velho,aos 18 anos.

Vou colocá-lo aqui.ali e acolá. E gritar: existem propostas humanizantes de Educação.

Só não valem um espaço na mídia.Pena.

Maria Neusa em março de 2012

sexta-feira, 9 de março de 2012

Uma história sem autor

"Certa vez um príncipe cruzou terras do reino vizinho sem percebeu e havia uma lei local que definia que se isso ocorresse, o invasor seria penalizado com a morte. Levado a julgamento pelo ato cometido, o príncipe perguntou ao rei se poderia reparar seu erro em vez de perder sua vida. O rei então lhe disse que se ele lhe desse uma resposta significativa ao ...seu dilema, o deixaria vivo. O príncipe esperançoso aceitou o desafio. Então o rei lhe deu uma semana para que lhe trouxesse a resposta da pergunta que tanto o afligia: O quer a mulher? O príncipe saiu a perguntar e as pessoas lhe diziam palavras que não faziam sentido profundo. Então alguém lhe disse que nas montanhas havia uma bruxa que conhecia os segredos da vida e que poderia ajudá-lo. Lá se foi ele em direção a montanha. Seu tempo estava se esgotando e queria manter sua vida. Lá chegando foi recebido pela bruxa. Contou o ocorrido e pediu-lhe ajuda. A bruxa disse que o ajudaria sob uma condição: que ele levasse a resposta ao rei e depois voltasse e se casasse com ela. O príncipe olhou para a bruxa horrenda e curvando-se ao seu destino, aceitou sua proposta. Então a bruxa lhe disse: a mulher quer ser reconhecida em seu direito de escolha. Fez todo sentido para o príncipe que levou a resposta ao rei, livrando-se da morte. Como era um homem de palavra, voltou para honrar seu compromisso com a bruxa. No dia do casamento, para sua surpresa a bruxa havia se transformado em uma mulher deslumbrante. Após a cerimônia de casamento, disse a seu marido que ele poderia escolher entre ter uma linda mulher durante o dia e a bruxa a noite ou a bruxa durante o dia e a linda mulher durante a noite. O príncipe olhou para sua mulher e lhe disse: a escolha é sua. Assim sendo, eles tiveram uma maravilhosa noite e de núpcias e ao amanhecer, surpreso, o príncipe verificou que sua mulher continuava maravilhosamente linda e lhe perguntou o que acontecera que continuava linda após o amanhecer. Então ela lhe disse que como ele reconheceu seu direito de escolha, ela escolhera manter-se linda todos os dias de suas vidas. E eu, que também sou bruxa, escolho me manter linda todos os dias de minha vida."

-Há anos conheço essa história sem autor.Gosto dela.Gosto de acreditar que ela é real.

quinta-feira, 8 de março de 2012

Homenagem: 8 de março ( e mais 364 dias...)

( imagem: www.coletivomulheranamontenegro.blogspot)

MULHER

Voluptuosamente
metade maçã
metade serpente
com teus passos
inventas o mundo

às vezes brincas
de pássaro
ou
andarilha de sombras
com teus olhos evocas
cordilheiras abissais
e é no teu âmago
que a noite se forma

dentro de ti
o novelo da vida

Roseana Murray in Pássaros do Absurdo

quarta-feira, 7 de março de 2012

Carta aos editores da revista Vida Simples

( imagem: vivoverde.com.br)
 
Prezados senhores:

" E você? Existe algo que você sempre sonhou fazer?"
Paro a frase por aqui....porque eu fiz o que sempre sonhei fazer.
Há 25 anos meu filho mais velho inaugurava sua vida escolar: primeira série do primeiro grau.
Meu marido - filósofo e pedagogo e  eu - Professora de Língua Portuguesa,ensino médio-
não acreditávamos nas propostas de Educação- pública e particular.Juntamente com mais dois
pais criamos a Escola Cooperativa Gralha Azul....temos 25 anos de histórias de dificuldades,sucessos,
conquistas,alegrias.
Convido vocês a visitarem a cidade mineira - Lavras- e através dos olhos,coração e mente do meu filho
mais velho - hoje Filósofo,fazendo doutorado na USP-conhecerem nossa escola.Prometo uma versão
madura do que é proposto pelo  filósofo Alain de Botton: um currículo regular e alunos e professores
trabalhando juntos valores como a busca pelo conhecimento, cooperação,honestidade,justiça,criatividade,participação cidadã...

Meu abraço cooperativo: Maria Neusa Guadalupe

sábado, 3 de março de 2012

Utilidade Pública...repassem...

Há dias venho me sentindo cansada,batimentos cardíacos acelerados,pressão muito baixa( sou hipertensa),urina escura,querendo só ficar deitada e não podendo...fiz tudo o que precisava fazer pela manhã e algumas vezes à tarde.Só ontem levei minha garrafinha de água.Só ontem joguei meus sintomas na internete: desidratação!
Telefonei pro meu médico,que pediu uma dosagem de glicose,que providenciei: 113..Ótima pra quem é diabética,como eu.Ele confirmou então : eu estava desidratada.Tratamento: tomar muito líquido e nada de andar e nada de tomar sol.
Meu recado para vocês,meus amigos: o sol está inclemente,o calor está de assustar.A prevenção é simples: líquidos e muito!
Beijos desidratados mas agora animadinhos.

quinta-feira, 1 de março de 2012

Aprendizado!Leiam e repassem!



O que ensinar a seus filhos sobre crianças especiais

Li esse texto, achei perfeito e resolvi traduzir para compartilhar com vocês. Muitas pessoas querem introduzir o assunto “crianças com necessidades especiais” com os filhos, para estimular a aceitação à diversidade, e não sabem como fazê-lo. Aqui vão várias dicas muito úteis!( Andrea Werner)

O que ensinar a seus filhos sobre crianças especiais
Por Ellen Seidman, do blog “Love That Max

Eu cresci sem conhecer nenhuma outra criança com necessidades especiais além do Adam, um visitante frequente do resort ao qual nossas famílias iam todos os verões. Ele tinha deficiência cognitiva. As crianças zombavam dele. Fico envergonhada de admitir que eu zombei também; meus pais não faziam idéia. Eles eram pais maravilhosos, mas nunca pensaram em ter uma conversa comigo sobre crianças com necessidades especiais.
E, então, eu tive meu filho Max; ele teve um AVC no nascimento que levou à paralisia cerebral. De repente, eu tinha uma criança para quem outras crianças olhavam e cochichavam a respeito. E eu desejei tanto que seus pais falassem com elas sobre crianças com necessidades especiais.
Já que ninguém recebe um “manual de instruções da paternidade”, algumas vezes, pais e mães não sabem muito o que dizer. Eu entendo totalmente; se eu não tivesse um filho especial, eu também me sentiria meio perdida. Então, eu procurei mães de crianças com autismo, paralisia cerebral, síndrome de down e doenças genéticas para ouvir o que elas gostariam que os pais ensinassem a seus filhos sobre os nossos filhos. Considere como um guia, não a bíblia!
Pra começar, não tenha pena de mim
“Sim, algumas vezes, eu tenho um monte de coisas pra lidar — mas o que eu não tenho é uma tragédia. Meu filho é um menino brilhante, engraçado e incrível que me traz muita alegria e que me enlouquece às vezes. Você sabe, como qualquer criança. Se você tiver pena de mim, seu filho vai ter também. Aja como você agiria perto de qualquer outro pai ou mãe. Aja como você agiria perto de qualquer criança.”
Ellen Seidman, do blog “Love That Max”; mãe do Max, que tem paralisia cerebral

Ensine seus filhos a não sentir pena dos nossos
“Quando a Darsie vê crianças (e adultos!) olhando e encarando, ela fica incomodada. Minha filha não se sente mal por ser quem ela é. Ela não se importa com o aparelho em seu pé. Ela não tem autopiedade. Ela é uma ótima garota que ama tudo, de cavalos a livros. Ela é uma criança que quer ser tratada como qualquer outra criança—independente dela mancar. Nossa família celebra as diferenças ao invés de lamentá-las, então nós te convidamos a fazer o mesmo.”
Shannon Wells, do blog “Cerebral Palsy Baby”; mãe da Darsie, que tem paralisia cerebral

Use o que eles tem em comum
“Vai chegar uma hora em que o seu filhinho vai começar a te fazer perguntas sobre por que a cor de uma pessoa é aquela, ou por que aquele homem é tão grande, ou aquela moça é tão pequena. Quando você estiver explicando a ele que todas as pessoas são diferentes e que nós não somos todos feitos do mesmo jeito, mencione pessoas com deficiências também. Mas tenha o cuidado de falar sobre as similaridades também—que uma criança na cadeira de rodas também gosta de ouvir música, e ver TV, e de se divertir, e de fazer amigos. Ensine aos seus filhos que as crianças com deficiências são mais parecidos com eles do que são diferentes.”
Michelle, do blog  ”Big Blueberry Eyes”; mãe da Kayla, que tem Síndrome de Down

Ensine as crianças a entender que há várias formas de se expressar
“Meu filho Bejjamin faz barulhos altos e bem agudos quando ele está animado. Algumas vezes, ele pula pra cima e pra baixo e sacode os braços também. Diga aos seus filhos que a razão pela qual crianças autistas  ou com outras necessidades especiais fazem isso é porque elas tem dificuldades pra falar, e é assim que elas se expressam quando estão felizes, frustradas ou, algumas vezes, até mesmo por alguma coisa que estão sentindo em seus corpos. Quando Benjamim faz barulhos, isso pode chamar a atenção, especialmente se estamos em um restaurante ou cinema. Então, é importante saber que ele não pode, sempre, evitar isso. E que isso é, normalmente, um sinal de que ele está se divertindo.”
Jana Banin, do blog “I Hate Your Kids (And Other Things Autism Parents Won’t Say Out Loud)”; mãe de Benjamin, que é autista

Saiba que fazer amizade com uma criança especial é bom para as duas crianças
“Em 2000, quando meu filho foi diagnosticado com autismo, eu tive muita dificuldade em arrumar amiguinhos para brincar com ele. Vários pais se assustaram, a maior parte por medo e desconhecimento. Fiquei sabendo que uma mãe tinha medo do autismo do meu filho ser “contagioso”. Ui. Treze anos mais tarde, sou tão abençoada por ter por perto várias famílias que acolheram meu filho de uma forma que foi tão benéfica para o seu desenvolvimento social. Fico arrepiada de pensar nisso. A melhor coisa que já ouvi de uma mãe foi o quanto a amizade com o meu filho foi importante para o filho dela! Que a sua proximidade com o RJ fez dele uma pessoa melhor! Foi uma coisa tão bonita de se dizer. Quando tivemos o diagnóstico, ouvimos que ele nunca teria amigos. Os amigos que ele tem, agora, adorariam discordar. Foram os pais deles que facilitaram essa amizade e, por isso, serei eternamente grata.”
Holly Robinson Peete, fundadora (com o marido Rodney Peete) da Hollyrod Roundation; mãe do RJ, que é autista (é ele, na foto abaixo, com sua irmã Ryan)

Encoraje seu filho a dizer “oi”
“Se você pegar seu filho olhando pro meu, não fique chateada — você só deve se preocupar se ele estiver sendo rude, mas crianças costumar reparar umas nas outras. Sim, apontar, obviamente, não é super educado, e se seu filho apontar para uma criança com necessidades especiais, você deve dizer a ele que isso é indelicado. Mas quando você vir seu filho olhando para o meu, diga a ele que a melhor coisa a fazer é sorrir pra ele ou dizer “oi”. Se você quiser ir mais fundo no assunto, diga a ele que crianças com necessidades especiais nem sempre respondem da forma como a gente espera, mas, ainda assim, é importante tratá-las como tratamos as outras pessoas.”
Katy Monot, do blog “Bird On The Street”; mãe do Charlie, que tem paralisia cerebral.

Encoraje as crianças a continuar falando
“As crianças sempre se perguntam se o Norrin pode falar, especialmente quando ele faz seu “barulhinho alto corriqueiro”. Explique ao seu filho que é normal se aproximar de outra criança que soa um pouco diferente. Algumas crianças podem não conseguir responder tão rápido, mas isso não significa que elas não tem nada a dizer. Peça ao seu filho para pensar no seu filme favorito, lugar ou livro—há grandes chances da outra criança gostar disso também. E a única forma dele descobrir isso é perguntando, da mesma forma que faria com qualquer outra criança.”
Lisa Quinones-Fontanez, do blog “Autism Wonderland”; mãe do Norrin, que é autista

Dê explicações simples
“Algumas vezes, eu penso que nós, pais, tendemos a complicar as coisas. Usando alguma coisa que seus filhos já conhecem, algo que faça sentido pra eles, você faz com que a “necessidade especial” se torne algo pessoal e fácil de entender. Eu captei isso uns anos atrás, quando meu priminho me perguntou “por que o William se comunicava de forma tão diferente dele e de seus irmãos”. Quando eu respondi que ele simplesmente nasceu assim, a resposta dele pegou no ponto: “Ah, assim como eu nasci com alergias”. Ele sabia como era viver com algo que se tem e gerenciar isso para viver diariamente. Se eu tivesse dito a ele que os músculos da boca de William tem dificuldade em formar palavras, o conceito teria se perdido na cabeça dele. Mas alergia fazia sentido pra ele. Simplicidade é a chave.”
Kimberly Easterling, do blog “Driving With No Hands”; mãe do William e da Mary, ambos com Síndrome de Down

Ensine respeito às crianças com seus próprios atos
“Crianças aprendem mais com suas ações que com suas palavras. Diga “oi” para a minha filha. Não tenha medo ou fique nervosa perto dela. Nós realmente não somos tão diferentes de vocês. Trate minha filha como trataria qualquer outra criança (e ganhe um bônus se fizer um comentário sobre o lindo cabelo dela!). Se tiver uma pergunta, faça. Fale para o seu filho sobre como todo mundo é bom em coisas diferentes, e como todo mundo tem dificuldades a trabalhar. Se todo o resto falhar, cite a frase do irmão de Addison: “bem, todo mundo é diferente!”.”
Debbie Smith, do blog “Finding Normal”; mãe de Addison, que tem Trissomina 9

Ajude as crianças a ver que, mesmo crianças que não falam, entendem
“Nós estávamos andando pelo playground e a coleguinha da minha filha não parava de encarar o meu filho, que é autista e tem paralisia cerebral. Minha filha chamou a atenção da colega rapidinho: “Você pode dizer “oi” pro meu irmão, você sabe. Só porque ele não fala, não significa que ele não ouve você”. Jack não costuma falar muito, mas ele ouve tudo ao redor dele. Ensine aos seus filhos que eles devem sempre assumir que crianças especiais entendem o que está sendo dito, mesmo sem poderem falar. É por isso que eles não vão dizer “o que ele tem de errado?”, mas poderão até dizer “Como vai?”.”
Jennifer Byde Myers, dos blogs “Into The Woods” e “The Thinking Person’s Guide To Autism”; mãe do Jack, que tem autismo e paralisia cerebral.

Inicie uma conversa
“Nós estávamos no children’s museum e um garotinho não parava de olhar para Charlie com seu andandor, e a mãe dele sussurrou em seu ouvido para não encarar porque isso era indelicado. Ao invés disso, eu adoraria que ela tivesse dito “esse é um andador muito interessante, você gostaria de perguntar ao garotinho e à sua mãe mais a respeito dele?”.”
Sarah Myers, do blog “Sarah & Joe (And Charlie Too!)”; mom do Charlie, que tem paralisia cerebral

Não se preocupe com o constrangimento
“Vamos combinar de não entrar em pânico caso seu filho diga algo embaraçoso. Você sabe, tipo se nós estivermos na fila do Starbucks e o seu filho olhar para a Maya e pra mim e disser algo como “Eca! Por que ela está babando?” ou “Você é mais gorda que a minha mãe”. Embora esses não sejam exemplos ideais de início de conversa, eles mostram que o seu filho está interessado e curioso o suficiente para fazer contato e perguntar. Por favor, não gagueje um “mil desculpas” e arraste seu filho pra longe.  Vá em frente e diga baixinho o pedido de desculpas, se você precisar, mas deixe-me aproveitar a oportunidade: vou explicar a parte da baba e apresentar Maya e contar da paixão dela por crocodilos, e você pode ser a coadjuvante no processo, dizendo “lembra quando nós vimos crocodilos no zoológico?” ou coisa parecida. Quando chegarmos ao caixa, o constrangimento vai ter passado, Maya terá curtido conhecer alguém novo, e eu terei esperanças de que seu filho conseguiu ver Maya como uma criança divertida, ao invés de uma “criança que baba”. (E eu irei simplesmente fingir que não ouvi a parte do “mais gorda que a minha mãe”).”
Dana Nieder, do blog “Uncommon Sense”; mãe da Maya, que tem uma síndrome genética não diagnosticada

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Salve Adélia Prado!

    
     " NUNCA NADA ESTÁ MORTO. O QUE PARECE ESTÁTICO,ESPERA!

-ADÉLIA PRADO -

Concordo: enquanto espero,pareço estar estática.E assim engano a morte.