sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Sobrevivência


                     Para a psicoterapeuta Maria Helena Pereira Franco,coordenadora do Laboratório de Estudos sobe o Luto da PUC - SP ,todos nós somos capazes de acender uma vela quando a vida fica sombria demais.Uma pessoa, que foi criada em um ambiente seguro,possui fé ( em si mesma ou em algo superior) e está cercada por uma rede de apoio: família,amigos, tem mais chances de vencer as dificuldades.
                     O luto é vivido também em situaçãos de separação,de desemprego,de exílio." Diante do luto entendemos que um ciclo terminou,que determinada coisa ou pessoa não fará mais parte do nosso cotidiano,mas isso não significa apagá-la completamente,e sim dar a ela um novo lugar em nossa memória,um novo significado em nossa vida."
                    Para a especialista mergulhar na dor é o primeiro passo para a verdadeira recuperação.Não é positivo fingir que nada aconteceu ou tentar substituir o que foi perdido.O enlutado,ao encarar sua dor,perceberá que é difícil mas ele está vivo e precisa seguir em frente.
                   - Há 3 anos precisei encarar minha perda( terminei um casamento de 27 anos),precisei aprender a deixar de fingir que nada acontecera.Cercada pelo amor de minha família ( filhos e irmãos e irmãs) , pelo amor de meus amigos e apoiada na fé em mim mesma e " naquele que tudo cria e pode",aceitei a perda,vivi o luto.Hoje está mais fácil caminhar.Livre.

3 comentários:

  1. Aprendo muito com vc!
    Bjs aprendizes.

    ResponderExcluir
  2. Olá Maria Neusa que prazer receber seu recado no meu blog e conhecer assim o seu. Lindos são os seus textos, simples claros sinceros e cheio de poesia do quotidiano. Virei sua fã. Que suas asas tem levem cada vez mais alto.
    Beijos

    ResponderExcluir